Vistoria técnica para serviço emergencial

Meio Ambiente e Defesa Civil farão medida provisória para conter a próxima maré.


14/06/2017

Previous Next

As Secretarias de Meio Ambiente e Serviços Públicos e de Ordem Pública – por meio da Defesa Civil – de São João da Barra realizaram nesta quarta-feira, 14, vistoria técnica para desenvolver serviços de contenção provisória da água do mar no período de maré alta na rua Minervina da Silva Pereira, localizada no Pontal de Atafona. O trabalho deverá ser iniciado na próxima sexta-feira, 16.

“O objetivo é evitar que a água do mar invada o comércio e as residências, causando transtornos para os moradores e empresários, já que existe previsão de maré alta novamente entre os dias 20 e 26 de junho”, declarou o coordenador da Defesa Civil, Adriano Assis, acrescentando que desde o início do ano está desenvolvendo serviço de monitoramento das marés no trecho do Pontal até o Açu.

Segundo Adriano, a contenção provisória será feita com sacos de areia, para impedir que a rua fique alagada e com acúmulo de areia do mar, atrapalhando a rotina de moradores e atividades nos frigoríficos e demais comércios. “Enquanto o mar avança para este trecho do Pontal houve um aumento da faixa de areia no trecho das ruínas do antigo prédio do Julinho”, comentou.

O Secretário de Meio Ambiente e Serviços Públicos, Alex Firme, que acompanhou a vistoria, relatou que já foi protocolado junto ao Inea solicitação para serviço de dragagem no trecho da propriedade chamada São João, conhecida como ilha de Cardoso, onde o Rio Paraíba do Sul encontra-se muito assoreado e obstruído.

“Com a obstrução, ocorreu a diminuição da vazão do fluxo da água até a foz facilitando o avanço do mar no Pontal e, consequentemente, o fenômeno de salinização da água captada pela Cedae”, ressaltou Alex, que está aguardando parecer técnico do Inea para executar a dragagem neste trecho do São João.

O secretário Alex lembra que, devido o custo muito elevado, a prefeita Carla Machado vem buscando junto às esferas estadual e federal recursos para pôr em prática o Projeto de Proteção e Restauração da Praia de Atafona, realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH).